Facebook Twitter YouTube E-mail
magnify

NOTA  DE  ESCLARECIMENTO

Em 10/07/2017.

Cumprindo a determinação da última Assembleia Geral do Plano de Saúde – APUB SAÚDE, a Assessoria Jurídica do plano deu entrada na Justiça Federal solicitação pedindo a suspensão dos efeitos da Resolução emitida pele Agencia Nacional de Saúde - ANS que indicava a Portabilidade de Carência Compulsória, dos associados do APUB SAÚDE para outros planos de saúde, ao tempo que solicitou efeito liminar.

A orientação da Justiça Federal da Bahia foi de que o foro adequado para o julgamento dessa ação seria no Rio de Janeiro sede da ANS.Concomitantemente a essas providencia a assessoria jurídica com base na Resolução Normativa da ANS que desvincula a situação financeira dos planos de saúde complementar, quando da sua solicitação de registro definitivo junto a ANS, em razão disso foi elaborado um Recurso Administrativo reiterando a solicitação de registro definitivo ao órgão regulador.

Em função desses acontecimentos o Conselho Deliberativo do Plano de Saúde - APUB SAÚDE decidiu por aguardar a manifestação da ANS sobre o Recurso Administrativo, para dar prosseguimento a Ação no Ministério Público do Rio de Janeiro. Ressaltamos que o Apub Saúde, continua atendendo as demandas da rede e dos seus associados aguardando o atendimento das nossas reivindicações por parte da ANS.

Por fim, o Conselho Deliberativo consultado por alguns associados do APUB SAÚDE sobre a possibilidade de parcelamento da Taxa de Recomposição Patrimonial, aprovada na ultima assembleia, deliberou que até a definição da Agencia Nacional de Saúde – ANS anunciando um posicionamento sobre as demandas do Plano, essa solicitação não poderá ser analisada sob pena de comprometer a Recomposição Patrimonial, o que causaria um novo desequilíbrio financeiro do Plano.

 
Home SUA SAÚDE Balão intergástrico

Balão intergástrico

O QUE É ?

Trata-se de um Balão de Silicone que possui uma válvula lisa e um cateter de introdução, por onde é insuflado dentro do estômago do paciente com solução salina e azul de metilenio estéreis, o formato expansível do balão permite um ajuste do volume do enchimento no momento da colocação de 400ml a 700ml. Uma válvula auto-selante permite o desacoplamento do caráter externo utilizado para o enchimento.

Leia Mais

O balão é posicionado dentro do estômago, e enchido com solução salina, levando-o a expansão em uma forma esférica. Devido as características de cada paciente, o Balão foi projetado para ter o seu volume ajustado no estômago do paciente.

O balão cheio é projetado para atuar como um bolo alimentar artificial, e se mover livremente dentro do estômago. O Balão Intragástrico, foi projetado para auxiliar na perda de peso corpóreo através do enchimento parcial do estômago induzindo a sensação de saciedade.

COMO ATUA?

A presença do balão inflado dentro do estômago ocupa um espaço que seria do alimento, causando saciedade precoce. O Balão Intragástrico é colocado e retirado por endoscopia, não exigindo afastamento das atividades do dia-dia.

INDICAÇÕES

O balão Intragástrico, é indicado para uso temporário como terapia para redução de peso em pacientes obesos ( ex. : obesidade mórbida ) que apresentam risco de vida significativo relativo a sua obesidade e que tenham falhado em atingir ou manter a perda de peso através de programas de controle de peso supervisionados por médicos.

Indicações mais específicas:

  • Pacientes com IMC maior que 28, refratários ao tratamento clinico, que apresentam contra – indicações para tratamento cirúrgico ou não aceitam o tratamento cirúrgico e apresentam doenças associadas a obesidade.
  • Pacientes com IMC menor que 35 que apresentam doenças secundarias a obesidade ou refratários ao tratamento clinico habitual da obesidade por um período superior a três anos, contra – indicações de drogas utilizadas no tratamento clinico ou doenças secundarias ao tratamento medicamentoso (hipotiroidismo secundário, distúrbios psiquiátricos droga dependente).
  • Preparo e seleção de pacientes com obesidade extrema (IMC > 50), para posterior cirurgia de restrição gástrica.
  • Redução do risco anestesiologico (cirurgia bariátrica, cirurgia geral, cirurgia ortopédica, cirurgia cardiovascular, dispnéia de decúbito, apneia do sono, etc).
  • Redução do risco cirúrgico (IMC extremo com doenças associadas).
  • Redução do risco clinico de doenças crônicas graves ou que causem invalidez.
  • Uso pré-cirurgico temporário para perda de peso em pacientes severamente obesos ( obesidade mórbida – Índice de Massa Corpórea ( IMC ) de 40 ou maior, ou IMC de 35 com riscos ), anteriormente a cirurgias, para reduzir o risco cirúrgico.
  • Uso temporário para perda de peso em pacientes obesos ( IMC acima de 28 que apresentam significativo risco de vida relacionado com sua obesidade e que tenham falhado em atingir ou manter um programa de perda de peso supervisionado por um médico. O balão deve ser usado em conjunto com uma dieta de longo período supervisionada e um programa de alteração de comportamento com propósito de aumentar a possibilidade da manutenção da perda de peso por um longo tempo.
  • Uso temporário para perda de peso em pacientes severamente obesos ( IMC de 40 ou IMC de 35 com riscos ), que não sejam candidatos para cirurgia de obesidade, em conjunto com uma dieta de longa duração supervisionada em um programa de alteração do comportamento com propósito de aumentar a possibilidade de manutenção da perda de peso por um longo período.

AVALIAÇÕES:

  • Clinica e Endoscópica
  • Nutricional
  • Psicológica
  • Fisioterapeutica

CONTRA-INDICAÇÕES PARA USO DO BALÃO INTRAGÁSTRICO:

  • Doença da transição gástrica potencialmente hemorrágica (excluídas as relacionadas a hipertensão portal).
  • Esofagite grau III.
  • Esôfago de Barret.
  • Uso crônico de anticoagulantes.
  • Hérnia de Hiato grande (acima de 5 cm).
  • Cirrose hepática.
  • Insuficiência renal crônica.
  • SIDA.
  • Para perda de peso por razoes meramente cosméticas/estéticas.
  • Para perda de peso em pacientes com IMC menor que 28, a não ser que acompanhado de morbidades/riscos associados com a obesidade, onde seria esperado diminuírem com perda de peso.
  • Para pacientes que se submeteram anteriormente a cirurgias abdominais ou ginecológicas.
  • Qualquer doença inflamatória do trato gastrintestinal incluído esofagites, ulceração gástrica, ulceração duodenal, câncer ou inflamações especificas como a Doença de Crohn.
  • Condições potencias de sangramento gastrintestinal superior como varizes esofágicas ou gástricas, telangiectases intestinais adquiridas ou congênitas, ou outra anomalia congênita no trato gastrintestinal como atresias e estenoses.
  • Anormalidades estruturais no esôfago ou faringe, como estreitamento ou diverticulite.
  • Qualquer outra condição médica que poderia aumentar o risco de uma endoscopia eletiva.
  • Desordens psiquiátricas anteriores ou atuais.
  • Cirurgias gástrica ou intestinal previas.
  • Alcoolismo ou vicio a drogas.
  • Pacientes que não desejem participar de programas estabelecidos de modificação de comportamento e de dieta supervisionado por médicos com acompanhamento clinico de rotina.
  • Pacientes com administração de aspirina, agentes antiinflamatórios, anticoagulantes ou outro irritante gástrico.
  • Pacientes grávidas ou amamentando.

RISCOS DO BALÃO INTRAGÁSTRICO:

  • Na colocação e retirada do balão por endoscopia, a sedação e realizada por anestesista, em ambientes hospitalar ou clinico.
  • Efeitos colaterais: imediatos ( após 24 – 48 horas da colocação ) como náusea, vomito e/ou dor abdominal. Apesar da orientação e prescrição médica pré-colocação, poderá ser necessário que o paciente seja encaminhado a um pronto atendimento escolhido pelo mesmo, para hidratação e medicação intravenosa.
  • Complicações referidas na literatura: podem ocorrer aderências, impactação do balão para o duodeno, intolerância permanente ( vômitos incoercíveis por maior tempo do que o previsto ), meteorismo, flatulência, úlceras e erosões gástricas, perfuração gástrica, infecção fungica em torno do balão. Esses fatores poderão obrigar equipe médica a indicar uma intervenção endoscópica e ate mesmo retirada do mesmo antes do tempo previsto.
  • Rejeição da prótese pelo organismo.
  • Vazamento na válvula.
  • Riscos inerentes ao uso permanente de corpo estranho.
  • Inadequada para pacientes com Hérnia Hiatal e esofagite de refluxo.

VANTANGENS:

  • E colocado por endoscopia, apenas com sedação.
  • Não requer internação hospitalar.
  • Não exige afastamento das atividades do dia-dia.
  • Em pacientes com obesidade mórbida, pode contribuir para a perda de peso no período preparatório para cirurgia eletiva.
  • Volume ajustável a cada paciente.
  • Baixo risco de desnutrição.
  • Ocupa parte do estômago causando saciedade precoce.
  • Tempo de procedimento (média de 15 minutos).
  • Não interfere no processo fisiológico da digestão.
  • Caso haja necessidade ou desejo do paciente, o balão pode ser retirado por outro procedimento endoscópico a qualquer momento.
  • Tempo de permanência no estômago de 06 meses.

BENEFÍCIOS:

  • Perda de peso e manutenção da perda, desde que haja aderência do paciente ao tratamento.
  • Melhores resultados com associação de medicamentos.
  • Melhores resultados com associação de atividades físicas, sob orientação médica.

ORIENTAÇÃO GERAL DE PROCEDIMENTO:

  • O paciente é submetido a uma sedação igual ao procedimento de uma endoscopia digestiva. O médico anestesiologista monitoriza a função cardíaca e respiratória, proporcionando o conforto e segurança do paciente durante todo o procedimento de colocação do balão. Após a colocação, o Balão Intragástrico é preenchido com soro fisiológico e azul de metileno estéril, reduzindo o espaço interno do estômago, induzindo a saciedade precoce.

EXAMES LABORATORIAIS DE ROTINA:

  • Hemograma;
  • Glicemia;
  • Parasitológico de fezes;
  • Na+;
  • K+;
  • Creatinina;
  • Coagulograma;
  • Albumina;
  • Colesterol total e frações;
  • Triglicérides.

ECG

  • Avaliação cardiológica se necessária;
  • RX de tórax Espirometria ( em caso de doença respiratória associada );
  • Ecografia do abdome superior;
  • Avaliação nutricional;
  • Avaliação psicológica;
  • Avaliação fisioterapeutica;
  • Endoscopia digestiva alta com pesquisa de H Pylori.

IMPLICAÇÕES DO TRATAMENTO:

E importante para resultado:

  • Aderência do paciente ao tratamento.
  • Acompanhamento durante todo o processo.
  • Equipe multidisciplinar.
  • Conscientização para mudança de comportamento e estilo de vida.
  • O paciente exercer atividades físicas.

CONCLUSÕES:

  • O Balão Intragástrico é um procedimento eficaz e seguro para o tratamento da obesidade.
  • A compreensão e adesão do paciente influenciam no resultado do tratamento.
  • O Balão Intragástrico apresenta ótimos resultados de perda de peso, desde que haja aderência do paciente ao tratamento.